A década de 90 ficou marcada no Brasil para muitas crianças pela exibição diária na Rede Record (programa da Eliana) do sucesso mundial Pokémon. Desde então inúmeros produtos foram lançados para impulsionar o interesse da molecada, o que garantiu o ressurgimento da Nintendo como empresa de alto impacto para a cultura Pop, anos depois da incrível ideia que acompanha um de seus personagens mais emblemáticos: O Game Super Mario World.

Preocupados com as mudanças entre a geração que cresceu acompanhando Ash e seu amigo Pikachu a quase duas décadas atrás, a Nintendo, OLM e o Pikachu Project (empresa que é responsável pela revitalização do desenho animado nos cinemas), construíram um diálogo sólido para o que está projetado na animação “Pokémon – Eu Escolho Você!“: uma atualização da animação com a missão clara de agradar aos fãs mais clássicos e a nova geração hiperconectada que acompanha o universo Pokémon através do Nintendo 3DS e do lançamento Nintendo Switch.

A animação que conta com a direção de Kunihiko Yuyama também parte da clássica premissa da vida e jornada de Ash Ketchum da cidade de Pallet. Atrasado em seu primeiro dia, Ash chega ao centro do Professor Carvalho para iniciar sua trajetória como mestre Pokémon, contudo, diferente do que espera encontrar (Squirtle, Bulbasaur ou Charmander), Pikachu é o único remanescente entre as escolhas, portanto, um tipo elétrico “incomum” para as aventuras que terão início. A partir deste ponto a animação exerce uma mistura de 2D clássico com 3Ds elaborados, relembrando com ótimo ritmo às passagens mais clássicas do anime exibido na Rede Record, com as gerações mais recentes da série Grey, XY & XY&Z.

O espectador tem a possibilidade de rever em poucos minutos o Charmander abandonado, a evolução da Butterfree, a apresentação sempre suspeita da equipe Rocket que precisa tirar vantagem de tudo que os cerca, além da crescente biodiversidade que acompanha a ampliação do catálogo de criaturas presentes nos Games em comparação aos clássicos 150 Pokémon da série original. O que antes levava muito tempo para acontecer, nesta animação de ritmo equilibrado, ocorre de forma rápida, o que certamente fará muito sucesso com a nova geração que acompanha Pokémon enquanto plataforma multimídia. Na animação clássica, Ash avista um Pokémon de tipo Raro que sua Pokédex não consegue nomear, com a ampliação do catálogo original para outras gerações, Ho-Ho (Pássaro do tipo Arco-íris, também chamado de Guardião dos Céus), é facilmente descrito pelo jovem treinador e como contrapartida é “escolhido” nesta animação, por carregar um bom caráter para utilizar uma das suas penas “mágicas”, capaz de trazer o equilíbrio ao meio ambiente e aos Pokémon que vivem na natureza mas que passam por algum tipo de problema.

As clássicas animações do estúdio Ghibli carregam grandes metáforas políticas, sociais e existenciais em seu discurso, “Pokémon – Eu Escolho Você!” também parece consciente do seu dever educativo e sempre contextualiza algum tipo de contraponto na forma como o mestre Pokémon (ou como sua jovem audiência), deve se relacionar com a diversidade, com o equilíbrio ambiental e principalmente, sobre o que significa vencer ou perder. Se na animação original as nuances sobre nosso protagonista exigiam muitos episódios, o que tornava o processo maçante pela repetitividade de algumas situações com a equipe Rocket, no novo filme animado, Ash parece seguro e um modelo de equilíbrio entre curiosidade e autoafirmação que funciona como reflexo da nova geração que o acompanha, além da sua capacidade de compreender a derrota de forma justa, sobre o valor da amizade e sobre a responsabilidade que um treinador deve ter ao interferir no ambiente original de um Pokémon.

Aos mais nostálgicos ou aos recém chegados, “Pokémon – Eu Escolho Você!” cumpre o seu dever em honrar o legado da animação mundialmente conhecida e que se faz presente como grande fenômeno da cultura pop, conciliando mensagem ambiental e entretenimento na exata medida.

Título Original: Gekijouban Poketto monsutâ: Kimi ni kimeta!
Direção: Kunihiko Yuyama
Roteiro: Satoshi Tajiri (conceito), Shôji Yonemura (roteiro)
Elenco: Unshô Ishizuka, Rica Matsumoto, Sarah Natochenny, Megumi Hayashibara, Shin’ichirô Miki, Inuko Inuyama, Ikue Ôtani
Produção: Atsushi Chiku, Hidenaga Katakami, Susumu Matsuyama, Satoshi Shimodaira
País: Japão
Ano: 2017
Duração: 112 minutos
Estreia: 05/11/2017 e 06/11/2017 – Exibição Exclusiva na Rede Cinemark
Distribuição no Brasil: Cinemark