Academia Brasileira de Cinema divulgou a lista dos filmes finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2018. Neste ano, entraram na disputa 36 longas e 20 curtas nacionais, além de cinco longas estrangeiros.

O grande destaque da premiação é o filme “Bingo, o Rei das Manhãs” (2017), de Daniel Rezende, que possui 15 indicações; seguido por “Como Nossos Pais” (2017), de Laís Bodanzky e “A Glória e a Graça” (2017), de Flávio Tambellini, que possuem 10 indicações cada.

Os vencedores serão escolhidos através de um segundo turno, no qual membros da Academia votam juntamente com o público para definirem os premiados nas categorias de longa de ficção, longa de documentário e longa estrangeiro. Neste ano, a grande homenageada será a atriz Fernanda Montenegro, que celebra 75 anos de carreira.

A cerimônia de premiação do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2018 acontece no dia 18 de setembro, na Cidade das Artes, no Rio, com transmissão ao vivo pelo Canal Brasil.

Confira a lista de indicados na 17ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro:

MELHOR LONGA-METRAGEM | FICÇÃO
A Glória e a Graça, de Flávio Ramos Tambellini
Bingo: O Rei das Manhãs, de Daniel Rezende
Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky
Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé
Gabriel e a Montanha, de Fellipe Barbosa

MELHOR LONGA-METRAGEM | DOCUMENTÁRIO
Cora Coralina – Todas as Vidas, de Renato Barbieri
Divinas Divas, de Leandra Leal
No Intenso Agora, de João Moreira Salles
Pitanga, de Beto Brant e Camila Pitanga
Um Filme de Cinema, de Walter Carvalho

MELHOR LONGA-METRAGEM | COMÉDIA
Divórcio, de Pedro Amorim
Fala Sério, Mãe!, de Pedro Vasconcelos
La Vingança, de Fernando Fraiha
Malasartes e o Duelo com a Morte, de Paulo Morelli
Os Parças, de Halder Gomes

MELHOR LONGA-METRAGEM | ANIMAÇÃO
As Aventuras do Pequeno Colombo, de Rodrigo Gava
Bruxarias, de Virginia Curia Martinez
Bugigangue no Espaço, de Ale McHaddo
Historietas Assombradas – O Filme, de Victor-Hugo Borges
Lino – Uma Aventura de Sete Vidas, de Rafael Ribas

MELHOR LONGA-METRAGEM | INFANTIL
D.P.A. – O Filme, de André Pellenz
Um Tio Quase Perfeito, de Pedro Antônio

MELHOR DIREÇÃO
Daniel Rezende, por Bingo: O Rei das Manhãs
Daniela Thomas, por Vazante
Eliane Caffé, por Era o Hotel Cambridge
Fellipe Barbosa, por Gabriel e a Montanha
Laís Bodanzky, por Como Nossos Pais

MELHOR ATRIZ
Carolina Ferraz, por A Glória e a Graça
Caroline Abras, por Gabriel e a Montanha
Dira Paes, por Redemoinho
Leandra Leal, por Bingo: O Rei das Manhãs
Maria Ribeiro, por Como Nossos Pais
Marjorie Estiano, por Entre Irmãs

MELHOR ATOR
Alexandre Nero, por João, o Maestro
Irandhir Santos, por Redemoinho
Jesuíta Barbosa, por Malasartes e o Duelo com a Morte
João Pedro Zappa, por Gabriel e a Montanha
Vladimir Brichta, por Bingo: O Rei das Manhãs

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Ana Lúcia Torre, por Bingo: O Rei das Manhãs
Camilla Amado, por Redemoinho
Clarisse Abujamra, por Como Nossos Pais
Leticia Colin, por Entre Irmãs
Sandra Corveloni, por A Glória e a Graça

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Augusto Madeira, por Bingo: O Rei das Manhãs
Cesar Mello, por A Glória e a Graça
Claudio Jaborandy, por Entre Irmãs
Fabrício Boliveira, por Vazante
Felipe Rocha, por Como Nossos Pais
Jorge Mautner, por Como Nossos Pais
Selton Mello, por O Filme da Minha Vida

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA
Felipe Reinheimer, por Soundtrack
Gustavo Hadba, por A Glória e a Graça
Inti Briones, por Vazante
Lula Carvalho, por Bingo: O Rei das Manhãs
Walter Carvalho, por O Filme da Minha Vida

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
A Glória e a Graça, escrito por Mikael de Albuquerque e Lusa Silvestre
As Duas Irenes, escrito por Fabio Meira
Bingo: O Rei das Manhãs, escrito por Luiz Bolognesi
Como Nossos Pais, escrito por Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi
Divinas Divas, escrito por Carol Benjamin, Leandra Leal, Lucas Paraizo e Natara Ney
Era o Hotel Cambridge, escrito por Eliane Caffé, Inês Figueiró e Luis Alberto de Abreu
Joaquim, escrito por Marcelo Gomes
Vazante, escrito por Daniela Thomas e Beto Amaral

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
D.P.A. – O Filme, escrito por Flávia Lins e Silva, L.G. Bayão e Mirna Nogueira
Entre Irmãs, escrito por Patrícia Andrade
O Filme da Minha Vida, escrito por Marcelo Vindicatto e Selton Mello
Real – O Plano por Trás da História, escrito por Mikael de Albuquerque
Redemoinho, escrito por George Moura

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Bingo: O Rei das Manhãs, por Cassio Amarante
Entre Irmãs, por Claudio Amaral Peixoto
Era o Hotel Cambridge, por Carla Caffé
João, o Maestro, por Claudio Amaral Peixoto
O Filme da Minha Vida, por Claudio Amaral Peixoto

MELHOR FIGURINO
Bingo: O Rei das Manhãs, por Verônica Julian
Como Nossos Pais, por Cássio Brasil
Entre Irmãs, por Ana Avelar
O Filme da Minha Vida, por Kika Lopes
Vazante, por Cássio Brasil

MELHOR MAQUIAGEM
A Glória e a Graça, por Marcos Freire
Bingo: O Rei das Manhãs, por Anna Van Steen
João, o Maestro, por Emi Sato
Malasartes e o Duelo com a Morte, por Anna Van Steen
O Filme da Minha Vida, por Marlene Moura e Uirandê Holanda

MELHOR EFEITO VISUAL
Bingo: O Rei das Manhãs, por Guilherme Ramalho, Luis Carone e Daniel Dias
Joaquim, por Hugo Gurgel
Malasartes e o Duelo com a Morte, por Ricardo Bardal
O Rastro, por Omar Colocci
Soundtrack, por Diego Morone, Luciano Neves e Luiz Adriano

MELHOR MONTAGEM | FICÇÃO
A Glória e a Graça, por Sérgio Mekler
Bingo: O Rei das Manhãs, por Márcio Hashimoto
Como Nossos Pais, por Rodrigo Menecucci
Era o Hotel Cambridge, por Márcio Hashimoto
João, o Maestro, por Bruno Lasevicius e Julia Pechman

MELHOR MONTAGEM | DOCUMENTÁRIO
Divinas Divas, por Natara Ney
No Intenso Agora, por Eduardo Escorel e Laís Lifschitz
Pitanga, por Juliana Munhoz
Quem é Primavera das Neves, por Giba Assis Brasil
Waiting for B., por Abigail Spindel

MELHOR SOM
A Glória e a Graça, por José Moreau Louzeiro, Simone Alves e Ariel Henrique
Bingo: O Rei das Manhãs, por Jorge Rezende, Alessandro Laroca, Eduardo Virmond Lima, Renan Deodato e Armando Torres Jr.
Divinas Divas, por Felippe Schultz Mussel, Vinícius Leal e Jesse Marmo
João, o Maestro, por George Saldanha, François Wolf e Armando Torres Jr.
Memória em Verde e Rosa, por Bruno Armelin, Evandro Lima, Marcel Costa, Pedro Sá, Damião Lopes e Gustavo Loureiro
O Filme da Minha Vida, por George Saldanha, Bernardo Uzeda e Armando Torres Jr.

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
A Glória e a Graça, por Pedro Tambellini
Bingo: O Rei das Manhãs, por Beto Villares
Como Nossos Pais, por Antonio Pinto
Gabriel e a Montanha, por Arthur B. Gillette
O Filme da Minha Vida, por Plínio Profeta

MELHOR TRILHA SONORA
Beduino, por Julio Bressane
João, o Maestro, por Mauro Lima, Fael Mondego e Fábio Mondego
Malasartes e o Duelo com a Morte, por Beto Villares
Memória em Verde e Rosa, por Paulão Sete Cordas
Pitanga, por Rica Amabis e Beth Beli
Um Filme de Cinema, por Guilherme Vaz e Marco Antonio Guimarães

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Blade Runner 2049, de Denis Villeneuve (EUA/Reino Unido/Hungria/Canadá)
Dunkirk, de Christopher Nolan (Reino Unido/Holanda/França/EUA)
Eu, Daniel Blake, de Ken Loach (Reino Unido/França/Bélgica)
La La Land: Cantando Estações, de Damien Chazelle (EUA/Hong Kong)
Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio (Chile/Alemanha/Espanha/EUA)

MELHOR CURTA-METRAGEM | ANIMAÇÃO
Animais, de Guilherme Alvernaz
O Violeiro Fantasma, de Wesley Rodrigues
Peleja do Sertão, de Fabio Miranda
Sob o Véu da Vida Oceânica, de Quico Meirelles
Torre, de Nádia Mangolini
Vênus – Filó a fadinha Lésbica, de Sávio Leite

MELHOR CURTA-METRAGEM | DOCUMENTÁRIO
Bambas, de Anna Furtado
Borá, de Angelo Defanti
Candeias, de Reginaldo Faria e Ythallo Rodrigues
Em Busca da Terra Sem Males, de Anna Azevedo
O Golpe em 50 Cortes ou a Corte em 50 Golpes, de Lucas Campolina
O Quebra-cabeça de Sara, de Allan Ribeiro
Ocupação do Hotel Cambridge, de Andrea Mendonça

MELHOR CURTA-METRAGEM | FICÇÃO
A Passagem do Cometa, de Juliana Rojas
Chico, de Irmãos Carvalho
De Tanto Olhar o Céu Gastei Meus Olhos, de Nathália Tereza
Nada, de Gabriel Martins
Tentei, de Laís Melo
The Beast, de Michael Wahrmann e Samantha Nell
Vaca Profana, de René Guerra