Essa semana o Curta de Quarta homenageia o cineasta e animador artístico escocês Norman McLaren (1914-1987), que faria 103 anos de idade no dia 11 de abril.

Norman McLaren foi um dos mais consagrados animadores de sua época, conhecido por desenvolver técnicas de animação como a de desenhar e riscar diretamente na película. A maioria dos seus trabalhos foram patrocinadas pela “Secretaria Nacional de Cinema do Canadá“, como é o caso do filme escolhido hoje, o hipnótico “Pas de Deux” (1968).

Pas de Deux” consegue, em seus poucos minutos, encantar o espectador através da apresentação de um número de dança. Mas, o que já seria belo somente pela arte dos dois dançarinos presentes no filme, McLaren eleva a beleza da obra com um trabalho de animação chamado de pixilation, que consiste em usar a técnica de animação em stop motion com atores vivos, registrando seus movimentos quadro a quadro para obter sequências animadas.

A obra, que foi lançada em 1968, nos remete muito aos trabalhos do francês Georges Méliès, por usar um plano estático na maioria das vezes e pelo seu aspecto mágico nas imagens. Mas, obviamente, a referência a Méliès é um tanto quanto distante quando nos atentamos ao aspecto autoral de McLaren, que claramente se sobressai, criando assim, um filme que pega emprestado o corpo de dois bailarinos, Margaret Mercier e Vincent Warren, para compor um mosaico, como se existisse um verdadeiro grupo de dança em transe na tela.

A entrega dos bailarinos se mistura com a bela trilha utilizada no filme e no fim, a técnica que McLaren utiliza acaba complementando toda a áurea encantadora da obra, tanto que o filme foi premiado em vários festivais em sua época de lançamento, inclusive rendendo uma indicação ao Oscar na categoria de Melhor Curta-Metragem.

Agora, curta o curta!