Após um longo hiato voltamos com o Curta de Quarta, agora num formato mais conciso, no qual abordaremos somente produções brasileiras disponíveis no Porta Curtas.

Para marcar a volta dessa coluna aqui na Revista Spiral Online, escolhemos o curta “O Golpe em 50 Cortes ou a Corte em 50 Golpes” (2017), de Lucas Campolina, que realiza uma espécie de investigação sobre a política nacional entre os anos de 2016 e 2017, a desvendando e a escancarando.

A narrativa adotada por Campolina é um mero reflexo da atual política brasileira, onde áudios “vazados” e disponibilizados de telefonemas grampeados são corriqueiros e circulam pela mídia num espetáculo inescrupuloso. A tela preta que o filme apresenta, somente com a legenda dos áudios, também pode ser encarado como um reflexo da conjuntura atual, na qual personagens se debruçam nas sombras, sem mostrar as verdadeiras intenções publicamente.

A construção dos rápidos cinquenta diálogos que o filme apresenta traça uma linha temporal sobre o período documentado, claro que de forma resumida, mas não menos chocante e relevante. Temos, por sinal, o que se tornou o compêndio do Brasil governado por Michel Temer, no qual Romero Jucá (MDB) sugere “uma mudança” no governo federal, em prol de um pacto nacional.

Tal como em “O Processo” (2018), documentário de Maria Augusta Ramos, “O Golpe em 50 Cortes ou a Corte em 50 Golpes” busca os personagens que cercaram todo o período de instabilidade no curto segundo mandado de Dilma Rousseff como presidenta da república, mas aqui o retrato é mais íntimo, pois foge das lentes e das habituais aparências.

A montagem do filme consegue complementar ideias de telefonemas distintos, criando assim uma continuidade bastante interessante de se acompanhar. E não é por acaso que o último áudio apresentado seja um ruído, algo curiosamente simbólico para os tempos atuais.


Agora, curta o curta!

O Golpe em 50 Cortes ou a Corte em 50 Golpes