Está chegando a época que os apaixonados por cinema mais esperam, a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que neste ano chega na sua 42ª edição. Com muitos desafios enfrentados pela equipe do evento, a Mostra 2018 vem com uma seleção robusta e que contempla o cinema realizado em 58 países, exibindo filmes que, em sua maioria, dificilmente chegarão ao circuito comercial brasileiro.

E, para facilitar a organização da programação de todos, resolvemos destacar 60 títulos, dentre a vasta seleção que a Mostra apresenta. Portanto, peguem o papel e a caneta e vamos juntos destrinchar a programação da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que acontece de 18 a 31 de outubro.

Primeira parte de uma série de três publicações.

Exibições Especiais

Como todo ano, a Mostra realiza exibições especiais, seja de filmes que já construíram a sua carreira, seja cópias restauradas de grandes obras, ou até mesmo filmes inéditos em projeções importantes, como nas cerimônias de abertura e encerramento.

“A Favorita”, de Yorgos Lanthimos
(Filme de Abertura – Prêmio Especial do Júri e Copa Volpi de Melhor Atriz no Festival de Veneza 2018)
Sinopse: No início do século 18, a Inglaterra está em guerra com a França. A frágil rainha Anne ocupa o trono, mas é sua amiga lady Sarah que governa o país. É quando chega à corte uma nova e ambiciosa serva, Abigail. A novata acaba se aproximando da monarca, e a amizade crescente entre as duas desperta a ira de Sarah – mas Abigail não vai deixar ninguém atrapalhar seus objetivos.

“Roma”, de Alfonso Cuáron
(Filme de Encerramento – Leão de Ouro no Festival de Veneza 2018)
Sinopse: Cidade do México, 1970. A rotina de uma família de classe média é controlada de maneira silenciosa por uma mulher (Yalitza Aparicio), que trabalha como babá e empregada doméstica. Durante um ano, diversos acontecimentos inesperados começam a afetar a vida de todos os moradores da casa, dando origem a uma série de mudanças, coletivas e pessoais.

“A Caixa de Pandora”, de Georg Wilhelm Pabst
(Exibição com Acompanhamento da Orquestra Jazz Sinfônica e ao Ar Livre)
Sinopse: O editor-chefe de um importante jornal, Peter Schön (Fritz Kortner), tem uma coquete, Lulu (Louise Brooks), como amante – um caso que está sendo cada vez mais comentado. Ele planeja se casar com a filha do ministro do interior, no entanto Lulu força uma situação que faz com que Peter se case com ela. O casamento dura apenas um dia, pois ele ficou com ciúme de seu filho, Alwa (Francis Lederer), que é bem próximo de Lulu, que o considera seu único amigo. Este ciúme acaba provocando uma briga entre Lulu e Peter. Ao brigarem pela posse da arma dele o revólver dispara e Peter morre. Ela é condenada a 5 anos de prisão, mas seus amigos dão um falso alarme de incêndio, provocando um tumulto, e assim ajudam Lulu a fugir do tribunal. Tentando deixar o país, ela é chantageada pelos “amigos”, que ameaçam dizer para a polícia onde ela está. Lulu pode ser “comprada” por um “negociante” do Cairo e, para evitar isto, ela conta apenas com seu pai dela e Alwa.

“Asas do Desejo”, de Wim Wenders
(Cópia Restaurada – Melhor Diretor no Festival de Cannes 1987 e Prêmio do Público na 12ª Mostra)
Sinopse: Damiel e Cassiel são dois anjos da guarda que enxergam o mundo em preto e branco.
Vestidos com sobretudos negros, eles observam as pessoas, escutam seus pensamentos e tentam confortá-las, mas são invisíveis a elas. Tudo muda quando Damiel se apaixona pela trapezista Marion. Para ficar com a moça, ele está disposto a se tornar humano, o que significa abdicar de sua imortalidade e enxergar o mundo a cores.

“Central do Brasil”, de Walter Salles
(Cópia Restaurada – Urso de Ouro no Festival de Berlim 1998)
Sinopse: Dora, uma ex-professora, escreve cartas para os analfabetos na estação de trens Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Ela cobra uma pequena quantia de todos, mas nem sempre envia as mensagens —muitas não saem de sua gaveta. No meio dessas cartas cheias de esperanças e projetos, está a de Ana, que planeja reencontrar o pai de seu filho Josué. A inesperada morte dessa mãe sela o encontro de Dora e o menino Josué, que terão seus destinos entrelaçados numa viagem por um Brasil simples e duro, onde o prêmio é a redescoberta da própria humanidade de Dora.

“Pixote – A Lei do Mais Fraco”, de Hector Babenco
(Cópia Restaurada – Leopardo de Prata no Festival de Locarno 1981)
Sinopse: Vivendo a dura realidade do menor carente em um reformatório de São Paulo e revoltados com as injustiças dos administradores da instituição, quatro meninos fogem e passam a conviver com uma prostituta, envolvendo-se com traficantes de drogas e trapaceiros.

“O Bandido da Luz Vermelha”, de Rogério Sganzerla
(Cópia Restaurada – Troféu Candango no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 1968)
Sinopse: O filme tem como ponto de partida um caso verídico de grande repercussão à época. O criminoso conhecido como Bandido da Luz Vermelha ganhou esse apelido porque invadia casas durante a noite usando uma lanterna vermelha. A degradada região conhecida como Boca do Lixo, no centro de São Paulo, é o pano de fundo para a narrativa. Nesse contexto, o longa apresenta a trajetória de um foragido da polícia em crise de identidade e da sedutora Janete Jane, com quem ele tem um caso.

“A Hora dos Fornos”, de Fernando E. Solanas, Octavio Getino
(Cópia Restaurada)
Sinopse: Documentário filmado clandestinamente e perseguido por ditaduras. Considerado um filme evento, participativo e de forte declaração subversiva, é dividido em três segmentos: Neocolonialismo e Violência, Ato pela Libertação e Violência e Libertação. O título oferece um testemunho da violência social e política na América Latina, além de ser uma crônica do peronismo e da resistência trabalhista na Argentina. Filme político clássico, a obra é um símbolo da cultura resistente dos anos 1960.

“Oito Horas Não São Um Dia”, Rainer Werner Fassbinder
(Série Completa)
Sinopse: No início da década de 1970, as séries alemãs costumavam tratar de dramas familiares. Fassbinder foi além e apresentou os problemas de uma família de fabricantes de ferramentas para a sociedade: trata de economia, política, greves e luta por direitos trabalhistas. “Oito Horas Não São Um Dia” é um exemplo de filme sobre operários —gênero desenvolvido pelo canal WDR na Alemanha Ocidental no fim dos anos 1960.

“Coincoin e os Inumanos”, de Bruno Dumont
(Minissérie Completa)
Sinopse: Continuação de O Pequeno Quinquin, também dirigido por Bruno Dumont, Coincoin e os Inumanos reúne quatro episódios da série homônima. Na trama, Quinquin agora é um adolescente que responde pelo apelido de Coincoin. Ele participa de reuniões do Partido Nacionalista com seu amigo de infância Fatso e seu antigo amor, Eve, o abandonou por Corinne. Quando um misterioso magma surge perto da cidade, os habitantes repentinamente começam a se comportar de modo estranho. Junto com o capitão Van Der Weyden e seu fiel assistente Carpentier, eles investigam esse fenômeno, que tudo indica se tratar de um ataque alienígena.

Filmes Premiados e de Importantes Festivais Internacionais

“Assunto de Família”, de Hirokazu Kore-eda
(Palma de Ouro no Festival de Cannes 2018)
Sinopse: Depois de uma sessão de furtos, Osamu e seu filho se deparam com uma garotinha passando frio ao relento. A princípio relutante em abrigá-la, a esposa de Osamu concorda em cuidar da menina depois de saber das dificuldades que ela enfrenta. Embora a família seja pobre, mal ganhando o suficiente para sobreviver por meio de pequenos crimes, eles parecem felizes. Até que um incidente revela segredos que testam os laços que os unem.

“3 Faces”, de Jafar Panahi
(Melhor Roteiro no Festival de Cannes 2018)
Sinopse: A renomada atriz Behnaz Jafari fica perturbada com o pedido de ajuda, em vídeo, de uma garota provinciana —proibida por sua família de prosseguir com os estudos no conservatório dramático de Teerã. Behnaz abandona a filmagem que estava fazendo e se volta ao cineasta Jafar Panahi para ajudá-la a resolver o mistério dos problemas da menina. Eles viajam de carro para o noroeste rural, onde têm divertidos encontros com o povo encantador da aldeia da jovem. Mas os visitantes logo descobrem que a proteção das antigas tradições é tão generosa quanto a hospitalidade local.

“Infiltrado na Klan”, de Spike Lee
(Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes 2018)
Sinopse: No início dos anos 1970, época de grandes convulsões sociais e luta pelos direitos civis, Ron Stallworth torna-se o primeiro detetive afro-americano no Departamento de Polícia de Colorado Springs. Mas sua chegada é recebida com ceticismo e hostilidade por parte da divisão. Destemido, Stallworth resolve fazer a diferença em sua comunidade e parte em uma perigosa missão: se infiltrar e expor a Ku Klux Klan.

“Capernaum”, de Nadine Labaki
(Prêmio do Júri no Festival de Cannes 2018)
Sinopse: Zain é um menino de 12 anos que se comporta como adulto devido ao sofrimento que passou: fugiu dos pais abusivos, foi morar nas ruas, cuidou da refugiada Rahil e de seu bebê e foi preso por um crime violento. O garoto, então, decide entrar nos tribunais com um processo contra seus pais, acusando-os do “crime” de lhe dar a vida.

“Imagem e Palavra”, de Jean-Luc Godard
(Palma de Ouro Especial no Festival de Cannes 2018)
Sinopse: Você ainda se lembra de como, há muito tempo, treinamos nossos pensamentos? Na maioria das vezes partimos de um sonho… Nos perguntamos como, na escuridão total, cores de tal intensidade poderiam emergir dentro de nós. Em voz baixa e suave, dizendo coisas maravilhosas, surpreendentes, profundas e precisas. Imagem e palavras como um sonho ruim escrito em uma noite tempestuosa. Sob os olhos ocidentais. Os paraísos perdidos. A guerra está aqui.

“Guerra Fria”, de Pawel Pawlikowski
(Melhor Direção no Festival de Cannes 2018)
Sinopse: Durante a Guerra Fria, entre a Polônia stalinista e a Paris boêmia dos anos 50, um músico amante da liberdade e uma jovem cantora com histórias e temperamentos completamente diferentes vivem um amor impossível.

“Em Chamas”, de Lee Chang-Dong
(Vencedor do Prêmio da Crítica no Festival de Cannes 2018)
Sinopse: Jongsu é um entregador que, no meio de um trabalho, reencontra Haemi, uma garota que já morou em sua vizinhança. A moça pergunta se ele poderia cuidar do seu gato enquanto ela estiver na África. Na volta, Haemi apresenta Jongsu a Ben, um jovem enigmático que ela conheceu durante a viagem. Um dia, Ben conta a Jongsu sobre seu hobby mais incomum. Baseado no conto Queimar Celeiros, do escritor japonês Haruki Murakami.

“The Man Who Killed Don Quixote”, de Terry Gilliam
(Filme de Encerramento do Festival de Cannes 2018)
Sinopse: Toby, um cínico publicitário, se vê envolvido nas ilusões e alucinações de um sapateiro espanhol que acredita ser Dom Quixote. No percurso de suas aventuras cômicas e surreais, Toby é obrigado a confrontar as trágicas consequências causadas por um filme que ele fez na juventude —e que mudou para sempre as esperanças e os sonhos dos habitantes de uma pequena vila na Espanha.

“Não me Toque”, de Adina Pintilie
(Urso de Ouro no Festival de Berlim 2018)
Sinopse: Laura (Laura Benson) trabalha há anos na mesma fábrica de manequins. Ela decide contratar jovens meninos para tocá-la e criar uma ilusão de intimidade. Tudor (Tómas Lemarquis) é um ator massagista em busca de uma mulher que rejeita suas tentativas de contato físico. Paul (Hermann Müller) é um ator preso em um relacionamento problemático. Laura fica fascinada por uma peça interativa deles e volta frequentemente para rever a apresentação, o que libera seus sentimentos reprimidos e lhe dá prazer sexual.

“Uma Terra Imaginada”, de Yeo Siew Hua
(Leopardo de Ouro no Festival de Locarno 2018)
Sinopse: Lok, um investigador da polícia de Singapura, tem uma missão: encontrar Wang, um trabalhador e imigrante da China que está desaparecido. Antes de sumir, Wang frequentava um cyber café em busca de alguma forma de conexão humana no país estrangeiro. No local, o homem fez uma amizade virtual com um misterioso jogador.


Na próxima publicação continuaremos com mais destaques da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.