Quando pensamos em Oscar ou nessas outras grandes premiações a primeira coisa quem vem a sua cabeça é que é tudo armado, que envolve mais dinheiro do que arte em sí.
Não digo para vocês que não tem haver com dinheiro, que não é clube do bolinha, ou até que não seja por questões políticas de cargo e afins. Mas o que realmente importa?
Com certeza pararmos de reclamar de questões em que nunca nós pobres mortais não podemos mudar, curtirmos uma das noites mais bonitas e emocionantes do ano!

Se você não tem uma resposta para essa pergunta é porque não assistiu a cerimônia do Oscar da noite passada. Seja pelas suas apostas erradas, em alguns momentos considerados “zebras”, como Melhor Edição de Som e Melhor Mixagem que foi para supervalorizado “Sniper Americano“, e de Melhor Roteiro Adaptado que foi para “O Jogo da Imitação“, que é um bom filme, com uma história que precisava ser contada pela importância que teve para a época, e para os dias de hoje. Levar um tapa na cara com a vitoria de “Ida” no lugar de “Leviatã” na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. E podemos ficar feliz por ter errado um ou dois palpites como Melhor Ator, que foi para o talentoso Eddie Redmayne pela sua atuação em “A Teoria de Tudo“.
E é claro, porque não, ficar super feliz por seus favoritos ganharem, “Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)” com 4 estatuetas, incluindo os maiores prêmios da noite, Melhor Filme e Melhor Diretor. O perfeito “O Grande Hotel Budapeste” com 4 estatuetas também. E o eletrizante “Whiplash – Em Busca da Perfeição” que veio ganhando força com o boca-a-boca, e é sensacional, seja por J.K. Simmons destruindo em seu papel, ou pelo ritmo e direção eletrizante.

Dois momentos músicais e únicos fizeram os cinefilos cair aos prantos de emoção. A interpretação de “Glory” música tema do filme “Selma” por John Legend e Lonnie Lynn (Common), foi de arrepiar, e preparou o terreno para o prêmio de Melhor Canção Original que viria logo a seguir. Mas lindo mesmo foi ver Lady Gaga cantando “The Sound of Music“, tema principal do musical  “A Noviça Rebelde” estrelado por Julie Andrews, que foi homenageado pelo seu aniversário de 50 anos que faz em 2015. Lady Gaga foi aplaudida de pé, inclusive pela protagonista do filme, que foi recebida no palco por Gaga visivelmente emocionada.

Ao final da noite ficou um gostinho de “quero mais”, que só poderá ser preenchido ano que vem. Mas, em contrapartida, ainda temos um ano inteiro pela frente, e que ele nos proporcione o que realmente importa, filmes sensacionais.